Wednesday, 10 December 2008

As ruas da cidade

Calle Santa Rosa, Gràcia, Barcelona. Dezembro de 2008. Fotografia de K.

Nos recantos mais escuros de cada alma, nas esquinas mais clandestinas de cada rua, onde alguém espera o céu, onde já ninguém espera nada. No sal de uma lágrima, num latido longínquo ao entardecer, na neblina da madrugada. Sempre marca a sua presença, discreta e sem mais companhia, a solidão. Essa solidão cujo único sentido é roubar o sentido a tudo, cuja única vida é converter a vida numa desilusão, a luz que ofusca as estrelas que queremos ver no manto escuro da noite, a mão que mata de amor amordaçando o silêncio. Está aí, em cada esquina, em cada rua. A mesma solidão que sentem os que se lançam nos mares da noite em busca de um horizonte iluminado, os que cruzam as entranhas do esquecimento, os que pedem a um tal Peter Pan um bilhete de regresso. A solidão, sombra fiel do incerto futuro.

4 comments:

SMA said...

Dás-me esse ponto comum
entre alma e rua
.
.
.
onde caminho e procuro
.
.
bjo
gostei muito desta minha descoberta de hoje
:-)))

Nikita said...

:) Bela maneira de descrever a solidão!
Gostei do texto!

RSS said...

Falem-me de Barcelona e de luz e de ruas e de seres ofuscados e de... solidão. Bela forma de colocar palavras ante palavras, e (re)ver Barcelona depois de lá ter vivido. Espero que, contrariamente ao Peter Pan, a ânsia pelo bilhete de regresso não seja assim tão grande! :-)

K. said...

Olá, Rui. Obrigado pela visita. Nao tenho ânsia nenhuma pelo bilhete de regresso... :D

Nao penso sair de Barcelona para já! Também a solidao de que falo neste texto nao é a minha, mas sim a que se sente nas ruas da cidade, nas esquinas solitárias dos bairros da Gràcia, Raval ou Sant Antoni. Nao sei se por causa da quadra natalícia que está aí, ou pelos efeitos da crise económica, ou por outro qualquer motivo. Há dias em que se apalpa a solidao nas ruas.